terça-feira, 20 de setembro de 2011

Raio X: Sad but True - Não somos os mestres de nós mesmos


Ei, eu sou sua vida
Sou aquele que o levou lá
Ei, eu sou a sua vida, sou o que se importa
Eles, Eles traem
Eu sou o seu único amigo verdadeiro agora
Eles, eles irão trair
Eu estarei sempre lá

Eu sou o seu sonho, faço-o real
Sou os seus olhos quando você precisa roubar
Sou sua dor quando você não pode sentir
Triste, mas é verdade.

Eu sou o seu sonho, mente perdida
Sou seus olhos enquanto você está distraído
Sou sua dor quando você rebate
Você sabe, é triste, mas é verdade

Você, você é a minha máscara
Você é a minha cobertura, meu casulo
Você, você é a minha máscara
Você é quem é culpado

Faça, faça meu trabalho
Faça meu trabalho sujo, bode expiatório
Faça, faça meus deveres
Para que só você se envergonhe.

Ódio, eu sou o seu ódio
Sou o seu ódio quando você quer amar
Pague, pague o preço
Pague por nada ser justo

Ei, eu sou sua vida
Fui eu que o trouxe aqui
Ei, eu sou a sua vida
E eu não me importo mais

Sou sua verdade, mentindo
Sou seus álibis racionais
Eu estou dentro, abra seus olhos
Eu sou você




Nessa semana analisaremos a letra de “Sad but True” do Metallica, uma das mais importantes bandas de heavy metal e uma das pioneiras do estilo nas Américas, além de ajudar a formar o Thrash Metal. O desafio de analisar uma música como a Sad but True é a sua falta de linearidade o que obriga uma fuga maior do universo da música.

A música trata de um dilema muito comum a qualquer pessoa que pare eventualmente para refletir. O que somos nós, individualmente falando? Essa pergunta é impossível de responder tendo base apenas com o conhecimento antes de Freud. O pensamento mais comum envolve coisas subjetivas, como alma, espírito, reencarnação, que varia da crença de cada um e que não serão discutidas aqui.

O conceito trazido pela psicanálise que há algo dentro da gente, da qual não temos controle e que, muitas vezes, controla nossas ações é um pouco mais complexo. Normalmente temos a sensação de sermos senhores de nós mesmos, quase como um ente superior que habita o nosso corpo e o utiliza a seu bel-prazer. Porém, há escolhas na nossa vida que, por mais que analisemos, não encontramos nossas verdadeiras motivações, algumas vezes até pensamos que seria melhor voltar no tempo e fazer diferente. O engraçado é que, mesmo assim, muitos de nós acabamos cometendo os mesmos erros no futuro.



O que fazer diante desse incontrolável eu? Quantas vezes não nos deparamos no nosso dia-a-dia com pessoas fazendo coisas que criticam, ou criticando coisas que fazem? Bem, caso você também se incomode com isso, comece olhando para dentro. Imagino que seja impossível controlar todos os nossos impulsos, mas isso não é desculpa para sermos incoerentes.

Voltando a letra da música, ela fala de um “eu” interior de uma forma nem um pouco animadora. Basicamente como se houvesse uma luta entre a nossa consciência e os nossos instintos. Pensando de uma forma mais darwinista, a hipótese da música faz todo sentido. Nós só estamos aqui hoje, porque todos os nossos ancestrais foram bons o suficiente em apenas duas coisas: sobreviver e procriar. Pensando que nossos impulsos irracionais, no fim das contas, são controlados por nossos genes, todos os genes que nos ajudaram a sobreviver e a procriar tiveram mais chances de se manter replicando. Os que nos ajudariam a ser bondosos, éticos, compreensíveis ou qualquer outra qualidade enfatizada nas diversas morais, não necessariamente resistem ao passar de milhares de anos.

Porém, há algo em nós humanos que quebra com essa lógica da seleção natural. No limite, somos a única espécie (na terra) que entendeu esse processo. Essa diferença nos deu, durante toda a história da civilização, a oportunidade de criar nossas próprias regras de convivência e comportamento. O processo evolutivo de milhões de anos confrontado pela vivência social nesses últimos milhares de anos, talvez tenha gerado essa disputa interna de uma parte consciente que é capaz de racionalizar nossas ações e outra que apenas faz o que a gente sempre fez, lutou pela nossa sobrevivência.

Poderia falar mais sobre esse tema, mas corro o risco de ficar muito maçante e de esgotar um tema muito complicado em apenas uma música. Sad but True é uma ótima música para refletirmos até que ponto escolhemos as coisas certas para nós mesmos e até que ponto somos mestres de nossa própria vida.

5 comentários:

  1. Eu vejo em Sad But True a luta incessante de um homem que procura se descobrir, mas também evoluir seu próprio eu. É como se num primeiro momento, ele fosse algo de muito ruim que pudesse ser considerado como triste, mas que dentro dele existe um sonho de um ser melhor, mais evoluído e que ele haveria de deixar suas crenças anteriores pra que esse novo ser se tornasse verdadeiro. É a constante busca em que nos colocamos todo dia de como sermos melhores e mesmo que tristes, sejamos verdadeiros.

    =**, Jowzinha
    http://pnsandomusica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Cara,vc pode entender de psicanálise,mas não entende nada de thrash metal, e essa letra é thrash metal puro(apesar da época em que foi lançada)

    Essa letra fala sobre submissão espíritual, escravidão:"não existe outro caminho pra vc, eu fiz vc,eu criei os seus sonhos ,eu uso vc, eu matei vc(seu antigo eu)"

    Ele ta cagando na cabeça e na alma dos fãs, é triste mas é verdade

    ResponderExcluir
  3. Não entendi o porque você, Anon, diz que ele caga na cabeça dos fãs.

    A letra é totalmente introspectiva. Acho que todos passam uma vez na vida por esse momento de pensar quem somos nós.

    Espere... Acabei de ler a letra de novo... Mudando e mantendo a opinião no mesmo post, CLARAMENTE ele mostra apenas a voz da SUBCONSCIÊNCIA falando com a consciência.

    Lendo estrofe por estrofe, o autor parece mostrar a opinião do subconsciente sobre o sonsciente, demostrando que por trás dos panos da meente ele age, e tudo é culpa dele, mas ninguem vê.

    Triste, mas é verdade...

    Personalidade e Comportamento.
    Quem joga Vampiro: A Máscara entenderá.

    ResponderExcluir
  4. Que mané consciente, subconsciente, cara,vcs tão catando pelo em ovo,essa letra é clara e simples.Ele ta cuspindo em vc("bode expiatório")

    Eu acho que só entende essa letra quem conhece o contexto do Thrash metal, o contexto de onde essa banda saiu.Dá uma sacada nas letras do exodus,Dark Angel,Anthrax...Thrash metal(pelo menos o Americano da decada de 80) é ódio e assassinato,vc ta é por fora

    Lógico, isso é só música,não to dizendo aqui que James Hetfield e outros sejam psicopatas,mas as letras das bandas desse movimento consistem nisso,não adianta querer forçar

    ResponderExcluir
  5. Pensem um pouco. E sobre cocaina.

    ResponderExcluir